sábado, 20 de janeiro de 2018

FEBRE AMARELA E A PRATA COLOIDAL, COMO FUNCIONA O MECANISMO DE DEFESA

FEBRE AMARELA

A febre amarela é uma doença infecciosa grave, causada por vírus e transmitida por vetores (mosquito Aedes Aegypti). Geralmente, quem contrai este vírus pode não chegar a apresentar sintomas ou os mesmos são muito fracos, em caso de sistema imunológico depressivo, pode ter consequências graves.

As primeiras manifestações da doença são repentinas: febre alta, calafrios, cansaço, dor de cabeça, dor muscular, náuseas e vômitos por cerca de três dias.

A forma mais grave da doença é rara e costuma aparecer após um breve período de bem-estar (até dois dias), quando podem ocorrer insuficiências hepática e renal, icterícia (olhos e pele amarelados), manifestações hemorrágicas e cansaço intenso.

informação do instituto Osvaldo Cruz (Fiocruz)


PRATA ATUANDO NO VÍRUS

A prata não mata o vírus, ela age de forma diferente no organismo com relação as bactérias e fungos.

A prata coloidal não mata vírus, ela protege a célula aderindo-se a parede dessa célula pela carga magnética que possui e evita que o vírus "entre" e se multiplique, com isso, no período de vida do vírus, ele não conseguirá infectar as células e se multiplicar e seu próprio organismo dará cabo de todos os hospedeiros indesejados.

Os vírus são seres que não possuem células, são constituídos por ácido nucleico que pode ser o DNA ou o RNA, envolvido por um invólucro proteico denominado capsídeo. Possuem cerca de 0,1µm de diâmetro, com dimensões apenas observáveis ao microscópio eletrônico.

Por serem tão pequenos conseguem invadir células, inclusive a de organismos unicelulares, como as bactérias. É parasitando células de outros organismos que os vírus conseguem reproduzir-se. Por essa razão o mecanismo que atua na eliminação das bactérias e fungos pela prata não é o mesmo dos vírus.
Caso uma bactéria esteja infectada por vírus, ai sim o processo será outro.

Um fator importante no uso da prata para para tratar viroses é ter um diagnóstico preciso por um médico para saber qual o vírus , o período de incubação e o período de vida dele no seu organismo, pois o tratamento dura exatamente esse tempo.

Entenda, você está contaminado e um exemplo: o vírus X vive 45 dias normalmente em condições favoráveis, então dependendo da gravidade, você tomará X ml por 50 dias pela manhã em jejum associado a uma alimentação que favoreça o fortalecimento do sistema imunológico ou um complexo vitamínico bom.

A prata cumprira a função dela nesse caso e e seu sistema imunológico também, eliminando o parasita.

Saiba que tomar a menos, não surtirá o efeito desejado e tomar a mais também não, pois se tornará uma faca de dois gumes, de um lado não haverá cura e o outro poderá tornar seu sistema imunológico, com o tempo acomodado, pois ao beber não apenas servirá para a virose, mas também para tudo o mais, interferindo na flora e fauna microscópica do seu organismo.

Por isso, que muitos dizem que a prata é ineficiente contra vírus, mas não levam em conta tipo de vírus, tempo de vida e contexto do organismo do individuo, que vai determinar dosagem e tempo de tratamento.

Creio que ninguém tenha lhe explico isso, mas fique ciente, pois é comprovadamente cientifico. Muitos testes em laboratórios feito em Universidades americanas relatam isso, porém é muito pouco divulgado.

Então essa é a função da prata no caso de viroses, bloquear a contaminação das células e nada mais, entendeu?

Passa a ser, por isso , um tratamento mais demorado e disciplinado.


COMO USAR A PRATA COMO PREVENTIVO VIRAL

Durante o período da epidemia ou manifestações do mosquito, tomar a prata de 15 a 20 ppm (partículas por milhão) entre 1 ml a 5 ml dia pela manhã em jejum, uma vez ao dia. mantendo a dose correta pode-se tomar até 6 meses.

Para crianças consulte um médico e calcule a dosagem conforme o peso, pois como estão em fase de crescimento é necessário atentar para diversos fatores, inclusive a falta de informação sobre o uso em crianças.

Animais, também é necessário calcular dose conforme o peso.



COMO CALCULAR A DOSAGEM CORRETA DA PRATA COLOIDAL PARA INGERIR:

Para calcular a dose de acordo com peso faça o seguinte cálculo (Dose recomendada pelo FDA):

ML DOSE ADULTO : Peso do adulto ou criança = x
Peso da pessoa x (o peso menor que 60kg ou maior que 80) = dosagem certa

Exemplo: 5 ml (para manutenção) : 70 kg (adulto) = 0,0714
0.0714 x 40kilos (peso a ser calculado) = 2,85 ml é a dose adequada

X * O PESO DA PESSOA (COM MENOS DE 60 OU MAIS DE 70 kg = DOSE ADEQUADA

(É uma dosagem aproximada para que não se exceda o recomendado pelo FDA)




quarta-feira, 29 de novembro de 2017

QUALIDADE E COR DA PRATA COLOIDAL

QUALIDADE E COR DA PRATA COLOIDAL
"Qualidade e cor da água de prata: A indicação crítica da qualidade da prata coloidal é a cor!
Uma vez que o tamanho dos aumentos de partículas de prata, a largura de banda das cores passar de transparente para amarelo On ou amarelo ouro translúcido amarelo você terá as partículas na escala de coloides preparados pelo método correto eletro coloidal.
A forma ideal de prata coloidal tem um profundo dourado - cor amarela on!". Não tem aspecto lamacento, nem cinza, é translucida, só presentando um pouco de opacidade se estiver com ppm excessivas, porém ao diluir volta sua transparência.
Se for feita pelo método a frio, ela fica transparente e límpida, porém amarga.
No CGCSFORUM, Kepha (só possível acessar usando um programa VPN) informa claramente por sua grande experiência que a cor da prata coloidal correta é amarela.
COR DA PRATA VERDADEIRA
Quem faz a prata coloidal, sabe que o tipo de água, a quantidade de tempo em eletrólise e a concentração de partículas por milhão provocam uma variação de tonalidades da prata como citado no trecho acima. O importante como sempre falo é se informar, não só dizendo " li na internet que....." , pergunte a um químico sobre coloides e entenda o que é , como funciona, tire dúvidas, pois o achômetro é uma péssima ferramenta.
GOSTO DA PRATA COLOIDAL VERDADEIRA
Outra questão é o gosto da prata coloidal, se for em baixíssima concentração o gosto será um leve amargo, mas se estiver com concentração de 25 ppm acima aproximadamente em pouca água, percebe-se claramente o sabor amargo. Portanto, informe-se. O ouro coloidal tem um sabor levemente salobro (Que tem gosto parecido com o da água do mar: água salobra.).
Imagem: aproximadamente 30 ppm

Nenhum texto alternativo automático disponível.

O QUE É A PRATA COLOIDAL


Prata coloidal são partículas de prata 999 diluídas em água destilada pelo sistema eletrólise, onde a fonte deve ter voltagem e amperagem adequada para se obter partículas do tamanho correto.
Imagine que a prata foi micro ralada e o pó está na escala dos nanômetros, como não é possível ralar, a única forma de fazê-lo é através do processo de eletrólise, aplicando uma determinada voltagem e amperagem por um determinado tempo.
Se você faz de forma incorreta, você pode obter sais de prata como nitratos, cloretos, etc e a prata iônica com perda de íon (simplificando, as partículas perdem pedacinhos e podem se ligar a outros saís ou substâncias deixando de ser a prata coloidal verdadeira) e essa é prejudicial a saúde.
Assim a prata coloidal verdadeira, são partículas de prata em escala de nanômetros carregadas de eletricidade.

Naturals Brazil

A imagem pode conter: bebida


VALIDADE DA PRATA COLOIDAL



Uma grande prata dos produtores de prata dá como validade da prata coloidal, prazo indeterminado, mas vamos analisar de forma lógica a questão.

A prata 1000, realmente tem prazo indeterminado, mas a prata coloidal é um processo, onde as partículas de prata, sem perder íon, são submetidas a um processo de eletrólise, no qual a prata é fragmentada em nano partículas. Sob condições adequadas da fonte, devem ser produzidas partículas no tamanho de 1 a 100 nanômetros, numa escala de coloide de coloração amarela.

Essas partículas carregadas de eletricidade tem uma vida útil de carga elétrica, assim como uma pilha, uma bateria, que com o passar do tempo, exposição a luz, ao ar, à temperatura, vai perdendo a carga, perdendo a eletricidade, concordam?

Processo natural. Se bem armazenada na embalagem original, em temperatura ambiente, não guardada na geladeira ou aquecida, não exposta a luz ou ao ar, pode manter até 1 ano sua eficácia até 80% em longo período.

Por isso, é errado dar um prazo de validade indeterminado a algo que pode ser alterado conforme submetida a variáveis.

Então fique atento e saiba que a prata coloidal é algo de muita eficácia, mas deve ser feita com muita responsabilidade.


sexta-feira, 10 de março de 2017

PRATA - Nanomaterial para combater bactérias NA DECORAÇÃO DE AMBIENTES

MULHER GRÁVIDA NÃO DEVE USAR PRATA COLOIDAL SEM ACOMPANHAMENTO MÉDICO, HÁ POSSIBILIDADE DE DANOS AS CÉLULAS REPRODUTORAS E ATÉ RISCO DE ABORTO CONFORME PESQUISA ABAIXO .


Usar somente com orientação e acompanhamento médico em casos graves.

O fato de que um efeito anti-bacteriano alta de nano prata é usada em produtos de saúde ou bens domésticos ou de carga pode causar aborto habitual e defeitos fetais na equipe nacional foi identificado pela primeira vez.

professor da Universidade de Konkuk gimjinhoe pesquisadores animais de biotecnologia células reprodutivas e da nano prata grávida anunciou que tem 27 dias para determinar a causa dos efeitos nocivos sobre o feto.

Nano Silver é a esterilização ea capacidade antibacteriana é superior ao amplamente utilizado em máquinas de lavar roupa ou purificadores de ar, bens domésticos, roupas de cama, etc, são frequentemente utilizados no fabrico de alimentos.


▶ nano-prata é prata, o combinado Nano resultando disse. Usando uma prata (Ag) partículas que têm efeitos anti-bacterianos, etc. balde humidificador ou filtro de água pode ser um efeito de impedir o crescimento de bactérias. Para as bactérias, quando aplicado ao filtro de prata nano e baldes fáceis foram encontrados para exercer um efeito bactericida poderosa de remoção de cerca de 650 espécies de bactérias. (Foto Source = dicionário científica também capturou os 101 perguntas perguntas)

Os pesquisadores colocaram os espermatozóides in vitro, a fim de investigar os efeitos sobre as células germinativas foram expostos à ingestão de nano-prata nano-prata.

O esperma eram pobres, etc. Este parece ser sulco oca na cabeça da cauda do espermatozóide se conectar uns com os outros.

Eles injectado o esperma na ovulação oócito, um resultado dos embriões foram modificados reduziu significativamente o número de células a ser formado no feto e da placenta. São susceptíveis de ser implantado no útero após um aborto espontâneo é muito alta, se os investigadores explicado.

Outro foi o resultado de células que produzem esperma e óvulos em camundongos machos e fêmeas administradas a nano-prata é morto na fertilidade granel caiu significativamente.

Professor Kim. "Para aqueles que acordar muito cedo em sua herança grávida explicou tenho que sentir pena simplesmente para atrasar o ciclo menstrual no estado não reconhecer o fato de que um é susceptível de conduzir ao aborto habitual."

Seguindo "precisa estar alerta o suficiente nós também amplamente o excesso de exposição a nanopartículas de prata usados" "países nanomateriais e nanoprodutos desenvolvidos para receber aprovação pré-comercialização de um produto ou uma tendência a regulamentos que dão uma indicação dever", disse que estava Sugestões .

Os resultados do estudo foram publicados na edição atual após o outro, como "nano-metoxi Kolo diretrizes e irmã publicação de 'Relatórios científicos da Nature Publishing Group contado um prestigiosas revistas internacionais no campo da toxicologia.

http://www.medimomnews.com/news/articleView.html?idxno=3867

NANOPARTÍCULAS DE PRATA ANIQUILAM BACTÉRIAS DE FILTROS DE AR


Aparelhos de filtração de ar instalados em ambientes fechados tem seus filtros dimensionados para filtrar poluentes da atmosfera. No entanto, os famosos filtros de ar podem se tornar um excelente local para reprodução de bactérias nocivas a nossa saúde, onde elas se reproduzem e são dispersas no meio em que vivemos.
Uma maneira muito eficaz para sanar este problema foi publicada por pesquisadores de um instituto Coreano de Ciência e Tecnologia, chefiada pelo Dr. Woo Kyoung-ja, que atuou ao lado de uma equipe de engenharia mecânica da Universidade de Yonsei, liderada pelo professor Huang Jung-ho. Equipe que desenvolveu um novo filtro de ar que é revestido com nanopartículas de prata.
Todo o trabalho foi publicado na revista científica internacional, emitida pela Sociedade Real de Química (RSC) com o título “Prompt and synergistic antibacterial activity of silver nanoparticle-decorated silica hybrid particles on air filtration”.
Os filtros foram revestidos com nanopartículas de prata, e a equipe avaliou a eficácia antibacteriana utilizando dois tipos de bactérias: Escherichia coli e Staphylococcus epidermidis.

UNICAMP COMPROVA QUE GEL COMPRA TRATA QUEIMADURAS COM EFICIÊNCIA

PRATA PODE SER USADA EM QUALQUER PRODUTO



As nanopartículas de prata, que podem ser incorporadas a qualquer produto que tenha contato com humanos ou com alimentos para conter a proliferação de fungos e bactérias”, diz Gabriel Nunes, sócio da TNS.

https://economia.terra.com.br/vida-de-empresario/empresa-dribla-crise-com-produto-invisivel,c4e907ecedc07c6aae4f197a322670e2vhpoo2fv.html


Nenhum texto alternativo automático disponível.

PRATA COMBATE A CÁRIE


Pesquisadores do Centro Nacional de Pesquisas Estratégicas do Nordeste testam nanopartículas de prata para combater a cárie. São partículas 50 mil vezes menores do que a espessura de um fio de cabelo e que têm ação bactericida.

https://www.noticiasaominuto.com.br/tech/159492/cientistas-testam-nanoparticulas-de-prata-para-combater-a-carie

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, close-up e comida

Partículas com nanotecnologia que destroem bactérias da superfície de instrumentos odontológicos ou que garantem adesivos mais transparentes e eficientes.

ODONTOLOGIA
Partículas com nanotecnologia que destroem bactérias da superfície de instrumentos odontológicos ou que garantem adesivos mais transparentes e eficientes.
De tamanho equivalente a 1 milímetro dividido por 1 milhão de vezes, essas partículas, quando incorporadas a materiais como plásticos ou pinceladas em forma de solução ou, ainda, em filmes chamados de coatings aplicados sobre metais, promovem uma série de benefícios para os consumidores. A função mais relevante é em relação à saúde dos usuários por meio da reação que nanopartículas de prata provocam na parede celular das bactérias, eliminan–do-as e evitando possíveis contaminações, além de deixar as superfícies limpas e sem cheiro ruim de forma permanente. São novos materiais ligados ao campo da nanotecnologia, segmento tecnológico interdisciplinar que despontou para o mercado na primeira década deste século. Na realidade, o que muda em relação à prata é sua industrialização em escala nanométrica em nível molecular, porque esse metal é utilizado na medicina, para a cura de feridas, desde a Antiguidade.
Pelo conhecimento anterior, não é de estranhar que a prata tenha sido um dos primeiros componentes do mundo nanotecnológico. Várias empresas no mundo já utilizam essa tecnologia, principalmente para revestimento bactericida de produtos. O mercado de nanorrevestimento e nanoadesivos atingiu a marca em vendas mundiais de US$ 2 bilhões em 2009, de acordo com a empresa de pesquisa de mercado norte-americana BCC Research. Segundo a consultoria, a previsão para o mercado desse setor nanotecnológico será de US$ 18 bilhões em 2015. Nesse mercado está a empresa brasileira Nanox, de São Carlos, no interior paulista, uma spin-off surgida em 2004 de dois institutos de química, um da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e outro da Universidade Estadual Paulista (Unesp), em Araraquara, em dois grupos de pesquisa que trabalham cooperativamente e são integrantes do Centro Multidisciplinar para o Desenvolvimento de Materiais Cerâmicos (CMDMC), um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (Cepid) da FAPESP, coordenado pelo professor Elson Longo.
No ano passado, 40% das vendas da Nanox seguiram para o México e Estados Unidos como matéria-prima para ser incorporada a vários tipos de peças plásticas e metálicas da linha premium das geladeiras das marcas General Electric (GE) e Mabe, como dispensadores de água, gavetas e prateleiras que evitam a contaminação cruzada entre alimentos, formação de mau cheiro e bolores. “A tecnologia age contra vários microrganismos como bactérias e fungos”, diz Daniel Minozzi, um dos três sócios da Nanox. O faturamento da empresa atingiu R$ 2,1 milhões em 2010, ante R$ 1,3 milhão em 2009. A tecnologia da Nanox, chamada de NanoxClean, na forma de filmes finos para aplicação em metais, também está desde 2010 em todos os equipamentos odontológicos produzidos pela Dabi Atlante, uma empresa 100% nacional fundada em 1945. “Desenvolvemos com a Nanox a tecnologia que leva o nome de B-Safe em nossos equipamentos”, conta Caetano Biagi, diretor industrial da Dabi. A Nanox licenciou e coordena a produção e aplicação do produto. “São mais de 15 materiais com a nossa tecnologia que possuem ação antimicrobial”, diz Daniel.
O material com nanotecnologia de prata recobre todos os objetos, como a cadeira de dentista, o aparelho conhecido como motorzinho, a luminária e os instrumentos, mangueiras e bandejas. “Decidimos colocar em toda a linha de produtos como forma de dar maior biossegurança para o dentista e os pacientes, evitando contaminações cruzadas”, diz Biagi. Assim, um dentista, ao colocar a mão na boca do paciente e depois pegar o motorzinho ou ajustar a iluminação sobre a cadeira odontológica, não corre o risco de transferir bactérias para o paciente seguinte. Esses equipamentos odontológicos com nanotecnologia já são exportados para Itália, Espanha, Portugal, Polônia, África do Sul, China, Tailândia e todos os países da América Latina. Cerca de 20% do faturamento de R$ 100 milhões da Dabi vem das exportações. “Não conhecemos nenhum tipo de equipamento com essa tecnologia no mundo, mesmo nos Estados Unidos e Europa”, diz Biagi.
Os produtos da Nanox ainda estão nos bebedouros de aço inoxidável e plástico da empresa IBBL, de Itu, no interior paulista, como bactericida, e também nos secadores de cabelo e em chapas de alisamento da Taiff, empresa instalada em São Paulo. Nesses casos, as nanopartículas eliminam microrganismos presentes nos jatos de ar ou nas chapas tornando os cabelos mais limpos, segundo a empresa. O próximo passo da Nanox é o lançamento de um produto com partículas com efeito bactericida para plásticos que servirá para confeccionar embalagens para acondicionar alimentos. “Conseguimos formular essas partículas nanoestruturadas por meio de um projeto do Programa de Subvenção Econômica da Finep [Financiadora de Estudos e Projetos]. Elas podem ser incorporadas em vários tipos de plástico como polipropileno e PET. Esse material passou a constar em uma lista da Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária] para uso em contato com alimentos. Isso foi possível depois de um estudo, e a comprovação da não toxicidade e não migração das partículas em plásticos, feito pelo Ital [Instituto Tecnológico de Alimentos] e Secretaria de Agricultura do estado”, diz Daniel.

CIENTISTA USA NANO PARTÍCULAS DE PRATA PARA LEVAR ANTIBIÓTICO A CÉLULAS DOENTES SEM DANIFICAR SAUDÁVEIS

CIENTISTA USA NANO PARTÍCULAS DE PRATA PARA LEVAR ANTIBIÓTICO A CÉLULAS DOENTES SEM DANIFICAR SAUDÁVEIS

Uma é de prata 1 a 500 nanometros, que tem propriedade bactericida, e outra com um "caroço" desse metal, recoberto por sílica, que transporta a droga em sua superfície.... 

- Veja mais em https://noticias.uol.com.br/ciencia/ultimas-noticias/redacao/2015/07/13/cientista-cria-nanoparticula-que-transporta-antibiotico-pelo-corpo.htm?cmpid=copiaecola

Nenhum texto alternativo automático disponível.

CURSOTRAT - PRATA COLOIDAL INJETÁVEL PARA ANIMAIS

A prata coloidal possui uma poderosa ação bacteriostática que provoca uma intensa leucocitose, aumentando a resistência orgânica do animal. O colargol exerce ação oxidativa sobre as toxinas bacterianas reduzindo as substâncias inócuas ao organismo.
BULA
FÓRMULA:
Cada ampola de 5mL contém:
Colargol ( Prata Coloidal ) . . . . . . . 0,06 g
Veículo estabilizante q.s.p. . . . . . 5 mL
PROPRIEDADES:
Colargol ou prata coloidal possui uma poderosa ação bacteriostática que provoca uma intensa leucocitose aumentando a resistência orgânica do animal contra os processos infecciosos.
Além destas propriedades, o colargol exerce ação oxidativa sobre as toxinas bacterianas, reduzindo-as a substâncias inócuas ao organismo do animal.

INDICAÇÕES:
Tratamento de diarréias de origem infecciosas dos animais, como o curso branco, curso negro ou curso de sangue.
POSOLOGIA E FORMA DE ADMINISTRAÇÃO:
Deve ser aplicado preferencialmente por via endovenosa, podendo ser usado por via intramuscular. As doses bem como as reaplicações serão de acordo com os sinais clínicos ou segundo critério do Médico Veterinário. Não prolongue o tratamento por mais de 3 dias.
Bovinos e equinos adultos
10 mL
Bezerros, potros, suínos, ovinos e caprinos
5 mL
Leitões e cabritos
2 mL
APRESENTAÇÃO:
1 frasco-ampola de 10 mL
Manter a embalagem fechada em local fresco e seco, ao abrigo da luz solar e fora do alcance de crianças e de animais domésticos.


NANO PARTÍCULAS DE PRATA SÃO ANTIADERENTES EVITAM ACIDENTES VASCULAR

PESQUISA
Milhões de pessoas no mundo são susceptíveis a acidente vascular devido a coágulos sanguíneos. Os pesquisadores têm tido sucesso com uma nova maneira de prevenir a formação de coágulos e, por conseguinte, os derrames, ataques cardíacos e embolia pulmonar que eles provocam. Estudos em ratos mostraram que nanopartículas de prata podem "brecar" o processo de agregação das plaquetas (responsáveis pela coagulação).
Se, de um lado, as plaquetas ajudam a fazer cessar um sangramento; de outro, se ficarem muito agregadas podem, também, ocasionar a formação de coágulos na circulação sanguínea. Uma trombose nas veias principais, por exemplo, pode se formar e bloquear o fluxo de sangue. Se o coágulo não for desfeito rapidamente - através do uso de injeções de potentes anticoagulantes -, pode bloquear o fornecimento de sangue ao coração ou cérebro, com conseqüências fatais. Como resultado, aproximadamente 500 milhões de pessoas no mundo sofrem de patologias relacionadas à formação de trombos, precisando tomar doses diárias de anticoagulantes. Uma faca de dois gumes, porque tais medicamentos podem induzir um sangramento espontâneo ou uma hemorragia interna incontrolável.
Antiaderentes. Nanopartículas de prata (pontos escuros) evitam a aglomeração das plaquetas.
Créditos: S. Shrivastava et al., ACS Nano.
A chave, então, é encontrar um agente que evite a aglomeração exagerada das plaquetas e, ao mesmo tempo, seja capaz de manter a habilidade que as mesmas têm de estancar o sangue. Pesquisa recente com nanopartículas de prata (grãos muito pequenos de metal, menores que 1/50000 do diâmetro de um fio de cabelo) aponta que estas podem dar conta dessa delicada tarefa. Uma equipe de biomédicos da Universidade Hindu de Banaras, em Varanasi (Índia), em colaboração com cientistas de materiais da mesma universidade e com o centro Internacional de Pesquisa Avançada em Metalurgia do Pó e Novos Materiais, em Balapur (Índia), começou a explorar o potencial anticoagulante das nanopartículas de prata.
Os pesquisadores injetaram sangue geneticamente modificado em ratos propensos a ter problemas de coagulação e administraram nanoprata. De acordo com os resultados publicados recentemente, as nanopartículas de prata inibem a ação ligante das proteínas da superfície das plaquetas evitando, assim, a aglomeração dessas células - efeito similar àquele em que se jogando areia em uma fita adesiva se reduz o poder de colagem da mesma. "Este efeito ajuda a nanoprata a manter as plaquetas em estado inativo", diz o bioquímico e co-autor do trabalho Debabrata Dash, de Banaras. As nanopartículas foram "muito mais efetivas" que as terapias existentes atualmente, comenta ele. Ao mesmo tempo, as nanopartículas não interferem com outras proteínas do sangue que auxiliam na formação de coágulos, contrariamente aos anticoagulantes convencionais, reduzindo dessa forma o perigo de uma hemorragia incontrolável.
Dash menciona que as nanopartículas aparentemente "são seguras para seres humanos", mas, como qualquer novo procedimento médico, precisarão ser submetidas a estudos de potenciais efeitos tóxicos.
O biólogo celular Jonathan Gibbins, da Universidade de Reading (Reino Unido), concorda ser necessária a cautela. "O trabalho está ainda em estágio inicial, com questões-chave, tais como o potencial tóxico e o mecanismo de ação, ainda sem resposta", disse Jonathan. "Mas certamente é uma nova e inesperada linha de pesquisa com plaquetas". O bioquímico Stan Heptinstall, da Universidade de Nottingham (Reino Unido), concorda com Jonathan, chamando atenção para que a pesquisa está "num estágio embrionário". O ponto chave, diz ele, é se a nanoprata não interfere no importante mecanismo de coagulação sanguínea em humanos.
Science Now Daily News (Tradução - AGS).
Nota do Scientific Editor: o trabalho que deu origem a esta notícia: "Characterization of Antiplatelet Properties of Silver Nanoparticles", de S. Shrivastava, T. Bera, S. K. Singh, G. Singh, P. Ramachandrarao e D. Dash, foi publicado na revista ACS Nano, volume 3, número 6, págs. 1357-1364, 2009, DOI: 10.1021/nn900277t.

sexta-feira, 17 de junho de 2016

Molusco Contagioso


Você sabia que o Gel com Prata Coloidal ou a Prata Coloidal em Gel cura o molusco contagioso?
Sim, exatamente isso!
Molusco contagioso é uma doença viral da pele causada por um poxvírus, o maior vírus já encontrado, que mede cerca de 300 nm. É muito comum em crianças do que em adultos,que também podem ser contaminados. A doença é transmitida pelo contato direto com portadores da doença. O molusco contagioso também pode ser transmitido por via sexual, e nesses casos as lesões costumam aparecer na região genital ou anal.
É uma doença dermatológica causada pelo Molluscum contagiosum. Caracteriza-se por bolhas rosadas ou brancas pela pele em qualquer parte do corpo e podem coçar muito.
O vírus do molusco (molluscum contagiosum vírus), como foi dito, é um Poxvirus, parente do vírus da varíola. É o maior (300 nanômetros) e mais complexo vírus que infecta o ser humano. O vírus do molusco é de DNA bicatenar (dupla hélice), que se multiplica no citoplasma usando as suas próprias enzimas de replicação de ácidos nucleicos, utilizando apenas os ribossomas e o restante da maquinaria de síntese proteica da célula hospedeira. A sua área de replicação no citoplasma é visível ao microscópio óptico.
As lesões contenham milhões de partículas de vírus, a taxa de infectividade é pequena, porém real e rápida.  Nos pacientes imunodeprimidos (pessoas que têm uma diminuição das defesas do corpo), especialmente pessoas infectadas pelo HIV, as lesões podem ser disseminadas por todo o corpo, com grandes dimensões, acometendo intensamente a face, e em muitos casos são refratárias aos tratamentos.
O diagnóstico é por recolha de amostras do tumor, lesões, e observação microscópica. As células têm inclusões típicas.
O tratamento não é realmente necessário porque não há cura por medicação, porém deixa a área afetada com um aspecto muito desagradável ao paciente e se ele quiser podem ser removidas por pequenas cirurgias como curetagem, congelando com nitrogênio líquido ou com laser.
O tratamento geralmente é fácil e rápido, mas pode e deixar irritação, doer muito e deixar cicatriz no local.
Um tratamento alternativo pode ser feito utilizando-se pomadas de podofilotoxina(0,5%), cremes e sabonetes à base de calêndula, iodeto ou ácido salicílico à critério médico ou  tratamento alternativo com óleo essencial, porém não há certeza que durante o período não haja reaparecimento do molusco, além de ser extremamente demorado.
A Prata Coloidal em Gel é extremamente eficiente nesses casos, pois ao ser usado sobre as lesões, as partículas de prata ficam presas na pele e também penetram nas lesões atuando como no caso de todas as viroses, protegendo as células evitando reprodução do vírus e recontaminação. Onde o vírus não pode se reproduzir, ele acaba sendo exterminado e eliminado pelo próprio organismo que deve ser tratado durante o processo para que a imunidade seja aumentada.

Tratamento com a prata (mecanismo)
O tratamento com a prata pode ser demorado também, pois dependerá muito do estado das lesões, localização e estado do sistema imunológico da pessoa, porém é um tratamento eficaz a medida que combate a virose e previne recontaminação ao mesmo tempo.
A prata em gel é importante por causa da fixação da prata na pele, podendo ser em creme também.
Tudo isso só pode ser avaliado por um médico, pois é o profissional mais capacitado com recursos clínicos para diagnosticar e determinar o que será feito.
Ao se tratar com o gel, usa-se camadas finas na região tantas vezes quanto forem necessárias e determinadas pelo médico.
Não se deve expor a área com a prata ao sol, pois a prata é sensível aos raios UV e nem misturar outras substâncias com ela, usá-se somente ela na pele, pois muitas substâncias são iônicas e podem mudar as características do coloide de prata do gel ou a própria prata pode alterar a outra substância, por isso, melhor prevenir e seguir as regras de utilização da prata coloidal determinadas pelo FDA americano.