sábado, 24 de setembro de 2011

O que são Coloídes? Exemplos e classificação de colóides...

  Para quem fala de prata coloidal, ouro coloidal, íons, partículas e não entendeu ainda o que é um coloide, vai ai um link maravilhoso, bem didático que mostra claramente o que é um coloide, feito por quem entende. O link é da Prisma , muito bom, passeio pelo site e informe-se:


http://cftc.cii.fc.ul.pt/PRISMA/capitulos/capitulo3/modulo6/topico1.php





SOLUÇÃO
São misturas homogêneas translúcidas, com diâmetro médio das partículas entre 0 e 1nm.
Exemplos: açúcar na água, sal de cozinha na água, álcool hidratado.
 
COLOIDES
    São misturas homogêneas que possuem moléculas ou íons gigantes. O diâmetro médio de suas partículas é de 1 a 1.000nm. Este tipo de mistura dispersa facilmente a luz, por isso são opacas, não são translúcidas.
Podem ser sólidas, líquidas ou gasosas.
O termo coloide vem do grego e significa "cola" e foi proposto por Thomas Grahm, em 1860 para as denominar as substâncias como o amido, cola, gelatina e albumina, que se difundiam na água lentamente em comparação com as soluções verdadeiras (água e açúcar, por exemplo).
Apesar dos coloides parecerem homogêneos a olho nu, a nível microscópico são heterogêneos. Isto porque não são estáveis e quase sempre precipitam.
Exemplos: maionese, shampoo, leite de magnésia, neblina, gelatina na água, leite, creme.
Suspensão – são misturas com grandes aglomerados de átomos, íons e moléculas. O tamanho médio das partículas é acima de 1.000nm.


Propriedades de uma dispersão coloidal

 

As dispersões coloidais possuem as seguintes propriedades principais: 

1. Movimento Browniano
O movimento browniano é resultante dos choques das partículas (principalmente quando este se encontra na fase gasosa ou líquida) com as partículas do disperso. Devido a estes choques constantes, as partículas do disperso adquirem um movimento de ziguezague ininterrupto que pode ser observado ao ultramicroscópio. 

2. Efeito Tyndall
O efeito Tyndall é na verdade um efeito óptico de espalhamento ou dispersão da luz, provocado pelas partículas de uma dispersão coloidal do tipo aerossol. O efeito Tyndall é o que torna possível, por exemplo, observar as partículas de poeira suspensas no ar através de uma réstia de luz, ou, ainda, observar as gotículas de água que formam a neblina através do farol do carro. 

3. Carga Elétrica
Como normalmente todas as partículas do disperso de uma dispersão coloidal apresentam a mesma carga elétrica, elas ficam em suspensão devido à repulsão elétrica contínua. A carga elétrica das partículas do disperso depende diretamente da quantidade de cátions ou de ânions presentes no sistema.
a) Sistemas com excesso de cátions: As partículas irão adsorver esses cátions, adquirindo carga elétrica positiva.
Exemplo: Dispersão coloidal preparada em meio ácido. 

b) Sistemas com excesso de ânions:
 As partículas irão adsorver esses cátions, adquirindo carga elétrica negativa.
Exemplo: Dispersão coloidal preparada em meio básico.
É importante observar que haverá um momento durante essa transformação em que as micelas serão neutras e a dispersão coloidal, descarregada; neste momento dizemos que a dispersão coloidal atingiu seu ponto isoelétrico.

4. Eletroforese
Quando uma dispersão coloidal é submetida a um campo elétrico, todas as partículas do disperso migram para um mesmo pólo.
a) Cataforese: Em uma dispersão coloidal positiva, as partículas do disperso migram para o pólo negativo, que é denominado cátodo.

b) Anaforese: Em uma dispersão coloidal negativa, as partículas do disperso migram para o pólo positivo, que é denominado ânodo.
Quando uma dispersão coloidal se encontra no seu ponto isoelétrico, as partículas do disperso não migram para nenhum dos pólos, pois estão descarregados.


 Espero, que tenha ficado mais claro, quando se diz íons e colóides, íons tem haver com a carga elétrica ( Átomo ou molécula com excesso (ânion) ou com falta de carga (cátion) elétrica negativa pelo ganho ou pela perda, respectivamente, de elétron(s),  e colóides são íons com as características mencionadas acima além do tamanho: de 1 a 1.000nm, portanto, a prata utilizada para fazer colóide tem que ser a  chamada “prata mil”, ou seja, 99,99% de pureza. Quando os eletrodos recebem eletricidade, partículas de prata são arremessadas para fora dos mesmos, formando-se os agrupamentos sub-microscópicos (agrupamentos atômicos) otimizados em 0,01 a 0,001 mícrons, que correspondem de 10 a 100 angstroms (unidade de medida correspondente a um décimo-bilionésimo de um metro). Dessa forma, chega-se à expressão “partes por milhão” (PPM) para expressar quanto de prata há numa solução pronta.  
Assim, o corpo não tem nenhum trabalho para eliminar a prata coloidal.


 Portanto, toda prata coloidal é partícula de prata metálica carregada eletricamente e não é iônica, possuí determinado tamanho característico dos colóides que são feitos com determinada carga elétrica (voltagem, amperagem e tensão) para se obter o tamanho adequado das partículas. 





Mais:

O mundo dos colóide: http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc09/quimsoc.pdf

Colóides: http://bioquimica.ufcspa.edu.br/pg2/pgs/quimica/coloides.pdf

Soluções: http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/solucoes/solucoes.php

Wikipedia: http://pt.wikipedia.org/wiki/Coloide


 O que são íons: http://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%8Don
                          http://www.colegioweb.com.br/quimica/o-que-sao-ions.html





 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Qualquer comentário com conteúdo ofensivo será deletado. Por isso, só poste comentários que venham a contribuir para o conteúdo, sugestões, avaliações técnicas, etc. Agradecemos sua participação que é muito preciosa para nós e nossos leitores por todo mundo.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.