segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Entendendo Nanograma e Micrograma - Coloide e Prata Coloidal


Difícil, visualizar a dimensão de nanograma e micrograma, o que gera certo receio quando se fala em prata coloidal, para algumas pessoas, então para entender essas medidas vamos explicar e fazer comparativos.

1º  -  O que é uma solução:

     São misturas homogêneas translúcidas, com diâmetro médio das partículas entre 0 e 1nm (nanômetros).
Exemplos: açúcar na água, sal de cozinha na água, álcool hidratado.

******************************************************************


2º - Coloide: (prata coloidal)

       São misturas homogêneas que possuem moléculas ou íons gigantes. O diâmetro médio de suas partículas é de 1 a 1.000nm (nanômetros). Este tipo de mistura dispersa facilmente a luz, por isso são opacas, não são translúcidas.
       Podem ser sólidas, líquidas ou gasosas.
      O termo coloide vem do grego e significa "cola" e foi proposto por Thomas Grahm, em 1860 para denominá-las as substâncias como o amido, cola, gelatina e albumina, que se difundiam na água lentamente em comparação com as soluções verdadeiras (água e açúcar, por exemplo).
Apesar dos coloides parecerem homogêneos a olho nu, a nível microscópico são heterogêneos. Isto porque não são estáveis e quase sempre precipitam.
Exemplos: maionese, shampoo, leite de magnésia, neblina, gelatina na água, leite, creme.

**********************************************************************


3º - O que é nanômetro:

       Um nanômetro (ou nanômetro), milimícron ou milimicro é a subunidade do metro, correspondente a 1×10−9 metros, ou seja, um milionésimo de milímetro ou um bilionésimo do metro. Tem como símbolo nm.[1] A forma não acentuada da palavra, nanômetro tem sido defendida como sendo a correta,[2] contudo, não está atualmente presente em qualquer dicionário da língua portuguesa.[3]
É uma unidade de comprimento do SI, comumente usada para medição de comprimentos de onda de luz visível (400 nm a 700 nm), radiação ultravioleta, radiação infravermelha e radiação gama, entre outras coisas.
1 nm = 1000 pm
1000 nm = 1 µm
picômetro << nanómetro << micrômetro

Ficaria assim para que você entender essa medida de comprimento:
Quilômetro     0,000001  = 10-6
Metro             0,001       = 10-3
Decímetro       0,01
Centímetro      0,1
Milímetro        1
Micrômetro     1000
Nanômetro     1000000    *
Angstrom       10000000

**********************************************************************


4º - MICROGRAMA

     Quando falamos de quantidade de prata coloidal a ser tomada em ppms (partículas por milhão), fica um tanto vago para os leigos, por isso vamos entender o que é micrograma.
     “O  EPA diz que a dose suficiente recomendada é  10 a 20 ppm ou 10-20ug/ml dia  ou  10-20mg/litro dia ou   10000ug/litro dia   ou    0,01mg/ml dia resumindo :

    Se em 1000 ml você tem 20mg ou 20 ppm por litro, cada ml terá:  20:1000 = 0,02 mg/por ml ou 20ug/ml.

   Portanto, a dose diária será em ml , 1 ml dia a 20 ppm, podendo haver uma alteração na dosagem  como mostra abaixo e no documento num limite seguro, porém a dose deverá ser adaptada a cada caso num determinado período de uso sem comprometimento orgânico.”
     Micrograma é a milionésima parte do grama, portando 1 grama = 1000000 de microgramas

     No caso da prata coloidal que está em meio aquoso com uma determinada densidade que vai determinar a equivalência entre ppm => micrograma, temos a seguinte definição exemplos:

************************************************************************************************************


   5º - Partes por milhão ou abreviadamente ppm é a medida de concentração que se utiliza quando as soluções são muito diluídas.
    Concentrações ainda menores podem ser expressas em partes por bilhão (ppb), partes por trilhão, etc, no que se chama partes por notação, da qual a ppm é a mais usual.



    Em massa que é o caso da prata coloidal no meio aquoso

    A concentração ppm em massa expressa a massa de soluto (disperso), em µg (micrograma), existentes em 1 g (1 milhão de µg) de solução.
     Exemplo: Quando se afirma que a água poluída de um rio contém 5 ppm em massa de mercurio significa que 1 g da água deste rio contém 5 µg de mercúrio.
Se considerarmos a densidade das soluções aquosas = 1,00 g/mL (ou aproximado) pode usar-se as seguintes relações:
                             ppm = mg/litro = µg/mL
Além disso, pode ser visto ppm em massa como mg/kg também. Nesse caso, demonstra o quanto de soluto em mg há em 1 kg de solução. Logo pode-se concluir mais uma relação:
                             ppm = mg/kg = µg/mL = mg/litro
Por exemplo, ao dizer que em uma solução há 75 ppm de KI, Iodeto de potássio, é o mesmo que dizer que em uma solução qualquer de 1 kg em massa há 75 mg de KI diluída nela.

Leia mais sobre densidade de massa: http://pt.wikipedia.org/wiki/Densidade .


   Assim quando dizemos que há 20 ppms (partículas por milhão) em 1 litro de água estamos dizendo que há 20 µg (micrograma) em 1 litro de água, 20 microgramas numa tabela de conversão seriam:

Quilograma       0,000000001   = 10-9
Hectograma     0,00000001      = 10-8
Grama                0,000001
Centigrama      0,0001
Miligrama          0,001
Micrograma     1
Nanograma     1000

Então em 1 litro de água terá 0,000001 gramas de prata coloidal.





               http://pt.wikipedia.org/wiki/Densidade
               http://pt.wikipedia.org/wiki/Grama

domingo, 2 de setembro de 2012

Dosagem da prata coloidal

 Eis o mais importante tema e depois de muito pesquisar encontrei a RDF da EPA( Environmental Protection Agency) americano completa : Prata (CASRN 7440-22-4), com um vasto estudo sobre o uso da prata tanto colóide como outras formas. Esses estudos são em casos de pessoas que usaram a prata coloidal e em outras formas e tiveram problemas, na maioria, e em cobaias animais, porém, como o documento diz não há um estudo profundo sobre muitos aspectos e efeitos da prata coloidal no organismo humano e em tecidos. É um estudo de 1987, portanto, há muitos aspectos a serem observados durante todos esses anos, onde esse estudo , podemos dizer que foi abandonado pelos órgãos governamentais e estudado individualmente em uma ou outra instituíção ou empresa.

 Fala sobre estudos a nível de tecido e celular e a dosagem correta via oral/dia. A prata em várias aplicações e dosagens extremas, mostrou-se tóxica, comprometendo órgãos e tecidos, porém na dose recomendada, é suficiente para atuar como o poderoso antibiótico, antiviral e fungicida que é, sem comprometer a saúde do usuário.



 Leia o texto na integra para entender (pode traduzir se usar o google chrome):

 Prata (CASRN 7440-22-4)


O trecho que esclarece a dosagem é: 

O  EPA diz que a dose suficiente recomendada é  10 a 20 ppm ou 10-20ug/ml dia  ou  10-20mg/litro dia ou   10000ug/litro dia   ou    0,01mg/ml dia resumindo :

Se em 1000 ml você tem 20mg ou 20 ppm por litro, cada ml terá:  20:1000 = 0,02 mg/por ml ou 20ug/ml.

Portanto, a dose diária será em ml , 1 ml dia de prata coloidal a 20 ppm, podendo haver uma alteração na dosagem entre 1ml a 25 ml dia de prata coloidal de 20 ppm, conforme o patógeno e o estado da pessoa




CACULANDO A DOSAGEM


Para calcular a dose de acordo com peso faça o seguinte cálculo (Dose recomendada pelo FDA na Norma Prata (CASRN 7440-22-4) de 20 ppm:

CÁLCULO 1
Y (ML QUE O ADULTO TOMARIA NUM DETERMINADO CASO)
: (dividido) 
P (Peso do adulto norma ) X (indice de cálculo)

CÁLCULO 2
X (Indice de cálculo adulto ) 
x (vezes) 
PP (o peso menor que 60kg ou maior que 80) = DOSE (dosagem certa)


Exemplo de acordo com as tabelas acima

CÁLCULO 1
5 ml (para manutenção) : 70 kg (adulto norma) = 0,0714
CÁLCULO 2
0.0714 x 40kilos (peso a ser calculado) 2,85 ml é a dose adequada






Em ppms acima de 20, a prata coloidal pode levar à Argyria e outros problemas, por isso é necessário adaptar a dosagem em equivalência a de 20ppm.
Abaixo uma tabela de equivalência da prata coloidal de 20 ppm em equivalência para doses mais altas em partículas por milhão usando ml e gotas.
Veja quantos ml tomaria na coluna de 20 ppm e siga na linha até as ppms que deseja verificar o valor.





sábado, 1 de setembro de 2012

O homem Azul - A farsa

   Sempre disse que ele fez errado e usou errado, pois a prata coloidal feita de forma correta, usada conforme o FDA recomenda e com responsabilidade é incapaz de produzir tal efeito intenso.

   A única coisa que não concordo é que ai diz que a prata coloidal verdadeira não pode ser feita em casa, com certeza pode sim, mas com o devido método e cuidado.

  Não entendo o porque de esconder tanto, de omitir informações,  de mistificar algo tão importante, que não é um milagre, mas pode ser uma alternativa poderosa para muitos problemas com devido acompanhamento médico.


De acordo com Lansdown, o risco esperado devido a exposição clínica a prata é "mínimo", uma vez que apenas a ingestão crónica ou inalação de preparações de prata conduz a uma acumulação de prata no corpo humano, que pode causar argyria, argyrosis (acumulação de prata no olho ), e outras condições.  à base de prata produtos são contra-indicados para pessoas que são alérgicas a prata.  A dose de referência, publicado pela Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos em 1991, que recomenda a exposição diária estimada de que é improvável incorrer em um risco significativo de efeitos deletérios durante uma vida inteira, é de 5 mg / kg / d, significando 5 microgramas de prata por quilo de peso por pessoa por dia - cerca de 1 litro de 10 ppm de prata coloidal por mês para uma pessoa kg 66. Um artigo do Centro Nacional de Medicina Complementar e Alternativa pontos fora de nitrato de prata e sulfadiazina de prata pode ter efeitos colaterais negativos, e eles devem ser aplicados ao corpo externamente e não tomadas internamente. 
Fontehttp://en.wikipedia.org/wiki/Medical_uses_of_silver




Fonte original : Homem Azul a FARSA - Purest colloids.
Outro: http://www.pratacoloidal.com.br/?p=25


A Fraude Blue Man

Até agora quase todo mundo já viu a história sobre Paul Karason que a mídia apelidou de "O Homem Azul".Embora a mídia tem continuamente dito que ele estava tomando prata coloidal, nada poderia estar mais longe da verdade. A história Blue Man tornou-se um evento de grande desinformação da mídia, que foi produzido por uma empresa de relações públicas e pago por um interesse farmacêutico. O objetivo da campanha era para assustar o público longe de usar produtos de prata coloidal. A tática foi a alegação de que a condição da Blue Man foi causada por seu uso de prata coloidal , assim, o que implica que qualquer um que utiliza a prata coloidal poderia sofrer um destino semelhante. Toda a história apresentada é um estudo de deturpação flagrante. O fato é que Paul tem uma condição chamada argyria que transforma a pele de cor azul-cinza. Ele tem essa condição, tendo o seu composto de prata caseiro que foi principalmente uma solução altamente concentrada de prata iônica. Quando ele preparava a solução que ele acreditava que estava fazendo prata coloidal. Ele não estava fazendo prata coloidal. Para tornar a solução ainda mais perigoso, acrescentou sal para a bebida e depois usou eletrólise para fazer uma alta concentração de cloreto de prata com partículas maiores que É bem conhecido por causar argyria. Ele ainda aplicado o composto para a pele fazendo-a tornar-se uma placa interna e externa fotográfica. Para finalizar-se fora, ele usou uma cama de bronzeamento artificial para "consertar" a prata em seu corpo. A moral da história é saber a diferença entre a verdadeira prata coloidal e proteínas iônicos prata , e não tentar fazer com que seja em casa! (Prata coloidal verdadeira não pode ser feito em casa.)
A charada Blue Man demonstra mais uma vez que os meios de comunicação de massa não pode ser confiável para relatar qualquer coisa que mesmo se assemelha a uma verdadeira "notícia". Todos "notícias" de hoje é propagada com uma agenda assim como as estatísticas falsas econômicos colocam o governo dos EUA.

Fraude Blue Man

Paul Karason

sábado, 25 de agosto de 2012

Fonte geradora de Prata Coloidal


Olá amigos,

    Vamos falar um pouco sobre a fonte geradora de prata coloidal?

    A fonte que gera a prata coloidal deve ter determinadas características, no que se refere à voltagem, amperagem e corrente, pois isso irá garantir que você obtenha o coloide de prata de forma correta e não outra forma como nitrito, nitrato, etc.

   Veja bem, você pode até adaptar uma fonte, porém deve ter em mente que precisa ser responsável, lembre-se que a prata é um metal e não é porque com partículas numa determinada escala de tamanho chamada coloide, que deixou de ser a prata. 

   É necessário muito cuidado na sua produção, desde o modo de fazer, a higiene local, os vasilhames que você vai usar que de preferência devem ser de vidro temperado que suportem calor, caso use o método a quente.  Outros recipientes podem liberam partículas de inox, ferro, alumínio comprometendo a qualidade da sua prata.

  A água também é extremamente importe, deve der deionizada ou destilada que é a água sem mineral nenhum e purificada que tem passado por um processo de ozonização ou purificação, estando livre de microrganismos. Algumas pessoas usam água mineral, mas veja, se há mineral na água, o resultado da sua prata pode ser comprometido pela presença desses minerais, sofrendo alteração até mesmo de cor.

 A cor dá prata feita pelo método a quente, em banho-maria, como o bioquímico Kephra faz, produz uma prata amarela, transparente e clara, não importando a quantidade de ppms (partículas por milhão que a prata contenha). Não fica nem barrosa, nem marrom, nem cinza, nem escura, fica amarelo on. Caso ocorra uma dessas mudanças de cor, indicará que há algo errado, podendo ser o método, o tipo de água que usou os eletrodos que não são de prata mil, o recipiente liberando partículas, a fonte com voltagem ou amperagem inadequada, entendeu?

  Já a cor da prata feita pelo método a frio, que se usa a água deionizada fria, produz um a prata cristalina, transparente e límpida, seja qual for a quantia de partículas por milhão. Qualquer alteração mostra que há algo errado.

 Quanto ao gosto ou sabor, a prata em ambos os métodos é amarga, quem tomou sabe disso. Se não tem gosto, então não é prata coloidal.

 O que se chama de verdadeira prata coloidal é a prata realmente com coloide, com as características certas, nada mais. Sem fantasia e nem mistério. Não existe fórmula secreta, o que existe é disciplina e cuidado na produção e no uso.

 Fala-se muito que serve para 650 patogêneses, porém e um mito, pois não existe comprovação científica que atua em todas elas. Ela é eficaz sim, para muitas enfermidades, para higienização, para limpeza, porque é bactericida, antiviral e fungicida.

 Muitas pessoas querem usar porque veem na prata coloidal um milagre, mas não é bem assim.  Primeiro é preciso um diagnóstico responsável de um médico capacitado, é preciso saber se não vai comprometer nenhum outro tratamento e nem vai interferir em suas medicações, é preciso saber se você não é alérgico ao metal prata e é preciso saber a dosagem correta caso a caso. No Brasil, não é muito usada, mas nos outros países da América como o Peru, é usada pelos médicos em homeopatia, com excelentes resultados.

  Outro detalhe é a misteriosa solução mãe, que é simplesmente uma prata preparada com ppms (partículas por milhão) elevadas, que você irá diluir com mais água para obter uma quantidade de partículas menores para ser ingerida.  
  Mas lembre-se:
  - você não pode diluir com qualquer água, lembre-se que vai misturar mineral a essa prata que pode comprometê-la. Deve usar água deionizada, purificada ou destilada.
  - como você vai saber a quantidade certa de água para diluir e com quantas partículas essa nova solução vai ficar de ppm sem um medidor de partículas? (medidor de TDS que você acha em lojas de aquarismo ou técnicas).
  - e como você vai saber se a quantidade de partículas é adequada para a solução do seu problema, que não é a mais e nem a menos?


Agora vamos à fonte: 

   Para a prata coloidal é necessário uma fonte com as seguintes características: 

  - Monovolt ou de preferência Bivolt (entrada 90 - 240 VAC)

  - Voltagem de 24 a 35 volts (a voltagem determina a quantidade de partículas produzida num determinado período, menos volts menos partículas, mais volts, mais partículas, nunca menor que 24 ou maior que 35 volts).

 - Amperagem de 10mA a 50 mA (a amperagem vai determinar o tamanho da partícula, fazendo com que fique na escala dos coloides, por isso não pode ser menor que 10mA (0,01 ampere) e nem maior que 50mA (0,05 ampere. Se for 10mA melhor, maior será a qualidade da sua prata, sem alteração de cor)

   Conversão:  

     50 mA = 50.10^-3

      simples, quando a base é -3 divide o valor desejado por 1000

       50mA = 50/1000 => 50mA = 0,05A



 - Corrente contínua: Se for possível que tenha a corrente contínua, pois colabora para a qualidade da sua prata ser perfeita. A alteração de corrente durante o processo não é muito adequada, por isso usa-se uma resitência na fonte para garantir a estabilidade da corrente.


   Com uma fonte assim, correta, você obterá uma prata coloidal de cor uniforme, clara, transparente, amarela ou não dependendo do método, com qualidade, que garante que se for ingerida, será eliminada pelo seu organismo completamente, atuando de forma eficaz conforme seu caso e orientação profissional.

  Não use pilhas, pois como pode ver, não atende nenhuma das características necessárias para fazer coloide de prata. Depois você estará consumido outra coisa e comprometendo sua saúde.


  Nós e algumas empresas trabalham com essas fontes ou geradores de prata como chamam, feitas por engenheiros elétricos, sem gambiarras e com responsabilidade. Temos a Acquaprata, a Naturals Brazil e outras.






 Fonte geradora de prata coloidal (somente para prata) 
 Bivolt, Entrada: 90 - 240 VAC - 50/60 Hz, Saída: 30 VDC @ 10 mA, Resitência de saída: 3K3



Caso desejar há um Kit que acompanha um pequeno manual com todos os cuidados para você obter a sua prata adequadamente, sem segredos:  http://www.naturalsbrazil.com.br/fonte-geradora-de-prata-coloidal-1/kit-para-fazer-prata-coloidal.html


 Enfim, se o seu problema era falta de informação, agora você tem, sem segredos, sem mistérios. Se tiver alguma duvida entre em contato (http://www.naturalsbrazil.com.br/contacts/) para que possamos orientá-lo e evitar que gaste seu dinheiro atoa e que seja enganado ou iludido com a esperança de falsos milagres.

  Sempre se oriente com seu médico de confiança para garantir um diagnóstico preciso e uma orientação adequada, pois seu corpo e sua saúde são bens preciosos que devem ser tratados com seriedade.

Obrigado.

     
  

sábado, 30 de junho de 2012

COMO O AÇO INOXIDÁVEL TIRA MAL CHEIRO DAS MÃOS?


Olá Amigos,

  Depois de muito pesquisar sobre o aço inoxidável e o sabonete, do porque retira o mau cheiro das mãos, encontrei num artigo em alemão e em inglês que me levaram a segurança alimentar e química sobre o aço inoxidável e a uma explicação plausível sobre o que acontece.

  Não há muita informação sobre o aço nesse sentido, mas sabemos que seus compostos, o níquel, o ferro e o cromo, assim como diversos metais reagem muito ao meio ambiente, ao oxigênio e a água, com raras exceções, além de muitos terem propriedades fitoterápicas e o que acontece nesse caso do sabonete é uma reação química, justamente entre eles e o enxofre que produz o ácido sulfúrico e é um dos ácidos oxidantes do ferro. Esse enxofre que fica em nossas mãos, é oque produz o ácido sulfúrico que carateriza os odores do alho, do peixe, da cebola, da água sanitária.

 Por isso, muitas empresas têm feito barras em forma de sabonete de aço inox para serem usadas na cozinha com a função de remover esses odores desagradáveis das mãos. Porém o uso de quaisquer outras superfícies de aço inox como colheres, conchas, facas (perigoso) tem o mesmo efeito.

 O que recomendam é lavar as mãos normalmente com detergente ou sabonete. Depois, pegue o sabonete de aço inox sob a água fria, esfregue por 10 segundos ou mais e o mau cheiro desaparece.




  A explicação que encontrei foi: 


      “Tudo isso tem a ver com a química do alho (outros) e aço inoxidável”.
      O alho contém moléculas de enxofre que produzem o ácido sulfúrico que produz o mau cheiro. Ao cortar o alho, as moléculas são transferidas para a sua pele. Lavar as mãos com água aumenta o cheiro, porque a água faz com que o enxofre se transforme em ácido sulfúrico (a mesma coisa que faz você chorar ao cortar cebola). Quando você toca em aço inoxidável, as moléculas de aço se ligam com as moléculas de enxofre (ácido sulfúrico) em suas mãos, transferindo assim as moléculas (junto com o cheiro) para o metal onde ocorre a reação química de oxidação do ferro que, por conta da presença do cromo, oxida de forma diferente, onde o cromo presente na liga em contato com oxigênio (da água), ao invés da "ferrugem", gera uma película impermeável que isola o metal abaixo dela em relação ao meio agressivo, protegendo-o dos processos corrosivos e garantindo ao material a sua elevada resistência. Assim, é uma reação química entre o ácido sulfúrico, o ferro e o cromo, fora de suas mãos.  Muito simples, porém para chegar a isso foi necessário ler e estudar muitos artigos de Segurança alimentar, química inorgânica, siderurgia para tentar simplificar e todos podermos compreender. Entenderam?! Não há mais mau cheiro.

      O aço inoxidável pode também ajudar a remover odores de cebola ou de peixe de suas mãos. Assim, da próxima vez faça um teste com alguma peça de aço inox puro em sua casa e se quiser compre um sabonete desses, dura pra sempre e deixa uma estética bonita na sua cozinha, sem o perigoso de se machucar com garfos, facas e outros utensílios de aço em sua casa.






 

         
         
IMPORTANTE


   Aço comum é uma liga de ferro e carbono que reage com o oxigênio do ar, formando uma camada superficial de óxido de ferro. Essa camada é extremamente porosa e permite a contínua oxidação do aço produzindo a corrosão, popularmente conhecida como ferrugem (mistura de óxido de ferro e de hidróxido de ferro).

   O aço inoxidável, por sua vez, é uma liga de ferro e cromo e, apesar do que diz seu nome, ele também oxida em contato com oxigênio, só que de forma diferente. Isso acontece, justamente, por conta do cromo presente na liga, que, em contato com o oxigênio, ao invés da "ferrugem", gera uma película impermeável que isola o metal abaixo dela em relação ao meio agressivo, protegendo-o dos processos corrosivos e garantindo ao material a sua elevada resistência. A esse fenômeno, dá-se o nome de passividade e o processo é conhecido em metalurgia como passivação. Por ser muito fina a película tem pouca interação com a luz e permite que o material continue apresentando seu brilho característico.

   Essa película, um oxi-hidróxido de cromo e ferro, é chamada de camada passiva. Apesar de invisível, estável e com espessura finíssima, essa película é muito aderente ao inox e tem sua resistência aumentada à medida que é adicionado mais cromo à mistura.

   Outros elementos como níquel, molibdênio e titânio, por exemplo, permitem que o inox seja dobrado, soldado, estampado e trabalhado de forma a poder ser utilizado nos mais variados produtos.

   O aços inoxidáveis, segundo a sua microestrutura, são classificados em: Ferríticos, Austeníticos e Martensíticos.



SOBRE O AÇO INOXIDÁVEL

Se quiser ler mais sobre o aço inoxidável e suas propriedades e aplicações:

- A capacidade de regeneração da superfície do aço inox: http://www.nucleoinox.com.br/upfiles/arquivos/biblioteca/a-camada-passiva.pdf

- Aço inox:   http://pt.wikipedia.org/wiki/A%C3%A7o_inoxid%C3%A1vel

- Aço inox F138: http://www.sandinox.com.br/aco-inoxidavel-f138.php

- Aço 304, 316 e 315 L de alta resistência: http://www.elinox.com.br/index.php?option=com_content&task=view&id=54&Itemid=116

- Maior e mais detalhado Banco de mais do mundo: http://www.keytometals.com/FreeTrialHomePT.html?gclid=CLvcz5nN9rACFU2R7QodoT4QBw

- Tipos de aço: http://www.coladaweb.com/quimica/quimica-geral/acos-inoxidaveis

- Química do aço*, filme passivo: http://www.nucleoinox.org.br/upfiles/arquivos/downloads/Acesita_Aplica_Especifica.pdf

- Segurança alimentar e o aço: http://www.elvi.com.br/panificacao/elvi_noticias_03.htm

- Questões importante: http://www.aczinox.com.br/faq/duvidas.html 



Fontes: http://en.wikipedia.org/wiki/Stainless_steel_soap

            http://chemistry.about.com/cs/howthingswork/f/blstainlessodor.htm 

            http://www.huffingtonpost.com/2012/03/13/eliminating-garlic-smell_n_1341413.html

           http://clix.dmail.pt/prodotto.php?cod=164618&PHPSESSID=e4683a51d6cf86e5c708510da120c8b2 


Caso alguém com conhecimento em química queira ou possa complementar de forma mais técnica essas informações, por favor fique a vontade nos comentários, pois será muito útil para todos nós.

  Muito Obrigado!


 

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Prata Nanocristalina

  Novamente a prata sendo usada em enxertos em pacientes com queimaduras, onde ocorre processo inflamatório podendo ocorrer infecção no local.

  A prata nessa apresentação mostra-se eficaz mantendo o ambiente local livre e microorganisms e infecções. Leia o artigo na integra com imagens no link:

 "INTRODUÇÃO

Pacientes com queimadura de médio e grande porte apresentam diversas alterações orgânicas que interferem e dificultam seu tratamento. Simultaneamente ao dano térmico responsável por áreas de necrose de coagulação envoltas em importante processo inflamatório, a apoptose das células aumenta as áreas já lesadas, enquanto fagócitos e células imunes possuem funções alteradas1. Essas alterações podem culminar em uma das complicações mais relevantes em pacientes queimados, a infecção na área afetada, diminuindo ou mesmo impossibilitando a integração de enxertos de pele desses pacientes que possuem áreas doadoras limitadas e restritas.

Dois fatores contribuem para o aumento da incidência de infecção: a perda de solução de continuidade e a imunossupressão resultante da própria queimadura ........ continue lendo no link:

Revista Brasileira de Cirurgia Plástica . "


Baixar arquivo original em PDF

segunda-feira, 2 de abril de 2012

Cloreto de magnésio

Me deparei essa semana com o assunto Cloreto de magnésio que é usado a muito tempo e é um tema bem interessante, por isso resolvi postar um artigo aqui e as devidas fontes, para que vocês leiam e se informem:



O Magnésio Mágico
Para quatro males incuráveis e a maioria dos outros
[Adaptado do “Artigo Mirim” - 14ª edição, 1994]

Padre Beno José Schorr 1
Prof. de física, química e biologia
Colégio Catarinense

O
 magnésio é uma descoberta fulminante da década de 1980, pouco difundida. Não é remédio, mas sim alimento essencial para a vida, a ponto de animais novos, bem tratados mas sem magnésio, morrerem todos em um mês. O magnésio controla 18 minerais e tem umas 300 funções.
__________

1. O Segredo do Magnésio – É indispensável conhecê-lo. Todos nós nascemos de uma única célula, que se multiplica, até a idade adulta, em cerca de 100 trilhões de células variadas, que nos dão calor e energia. Enfileiradas, dariam uma volta ao mundo, ou mais.

CÉLULA SADIA – Cada célula tem no seu interior um pequeno núcleo, tido como sede da vida, com toda a programação da primeira célula. O núcleo consiste de enorme conjunto de átomos, em forma de rede espiralada, onde aqui e ali há um átomo de magnésio, tipo “borrachinha” - este é o segredo! Tais células são flexíveis e ativas, como o corpo todo. Na formação das novas células, o magnésio escolhe as substâncias programadas, todas de origem animal, como único material de construção, ao menos até os 6 anos de idade, para dar acabamento ao cérebro e evitar deficiência mental. Assim, cada célula sabe e segue o programa da primeira célula, sem faltar um cabelo sequer. Nos adultos, a célula-mãe se desfaz, para evitar o “gigantismo”. O magnésio constrói as células.

CÉLULA DOENTE – Se faltar magnésio na formação das células, invade seu lugar o cálcio, tipo “pedrinha”. Tais células vão perdendo flexibilidade e atividade, e todo o corpo endurece, envelhece e se cansa à toa. Aí, o “diabo está solto”... O cálcio mata pelo menos 80% por doenças como calcificações, artrites, ciáticas incuráveis, câncer, infartos - umas 6 mil doenças. Umas são de doer e gemer. Outras são de morrer, no duro!  Mas agora temos...

A MAGIA – Basta devolver o magnésio que falta, e ele vai direto aos núcleos chutar fora as pedrinhas, o cálcio invasor, e retoma seu lugar como “borrachinha”. Assim, o corpo endurecido volta aos poucos a ser flexível e ativo, pois o magnésio é o restaurador das células. O magnésio, com seus 18 minerais ajudantes, vai patrulhando até os últimos becos do corpo, limpa as arteriazinhas... O magnésio chega lá!

2. REFINADOS – Então o bom Deus esqueceu do magnésio nos alimentos? Não! Ele entregou o domínio da natureza perfeita ao homem racional. A culpa é do próprio homem, obcecado por paixões de ganância, gula, vaidade... O industrial visa a lucros e refina, retira o “sujinho” dos grãos de arroz e do trigo, o melaço escuro do açúcar. Do sal marinho, rejeita o magnésio, que umedece, o iodo, e mais 20 sais salubérrimos. Gaba-se do “progresso”, dos “alimentos brancos”... Desses 4 alimentos básicos, os mais consumidos no mundo, vende a bom preço esses restinhos “sujos” ao gado, para a sua saúde. Logo, sabe o que faz! No entanto, reserva para si o restante “bagaço branco” e, doente, corre à farmácia, pagando o cêntuplo por drogas ineficazes. Assim, o homem “fatura” nada menos que 50% das mortes por câncer...
O que fazer? Compre a farinha de trigo cinzenta e não a branca, que é puro bagaço, e junte ainda farelo de arroz ou trigo. Arroz, só descasque e não tire o farelo dourado, os sais da saúde. Do açúcar, apenas evapore a água, pois o açúcar amarelo faz a saúde dos nordestinos e à nossa. O sal saudável é o que se dá ao gado. Afine-o com uma garrafa sobre a mesa. Tem uns 10 minerais - é ótimo!

2a. ESTRESSE – É o esgotamento perigoso, por falta de magnésio nos alimentos industria-lizados. Isso provoca em gente ativa um ciclo perigoso, assim: A falta de magnésio faz das ocupações preocupações, ânsia que gera o começo do estresse, que consome magnésio. Recomeça o ciclo, sem parar: Menos magnésio dá mais ânsia, mais estresse e menos magnésio, mais ânsia... até ocorrer o colapso, às vezes fatal. Cura certa: Siga a RECEITA GERAL (item 8) por uns meses, até sentir-se forte. Siga então o item 14, até o fim.
3. PREPARO DA SOLUÇÃO – Tenha à mão CLORETO DE MAGNÉSIO P.A. e uns copinhos de plástico para cafezinho. Encha 1 (um) copinho 2 com esse sal, socando levemente, e o dissolva em 1 (um) litro d’água. Somente isso! Ou dissolva 100g de magnésio em 3 litros. A solução nunca estraga.
Uma dose é um copinho bem cheio da solução. Ponha uma dose num copo comum e faça uma marca com adesivo. Daí para cima, ponha água à vontade, para fazer menos amargo. Se em jejum for laxante, deixe para tomar depois do café.

4. O MEU CASO de quase paralítico, como referência. Aos 55 anos de idade, sentia estranho peso na perna direita. Aos 65 anos, virou dor intratável. Aos 69 anos formigava toda a perna ao ficar em pé (sentado, não). Então atinei ser bico de papagaio, já visível aos 55 anos, que calcificara e apertava o nervo que descia à perna. Fugia da dor sentando e, na cama, enrolado como um gato. Ouvi de um especialista: “Isso já não é um bico, mas sim um bando de papagaios! Todas as vértebras estão calcificadas, curvando a espinha. Não tem cura”. Angustiado, apelei instantaneamente ao bom Deus para dar um “jeitinho”... Pouco depois, o padre Suarez mostrou-me no livro do padre Puig o uso do magnésio...

5. MINHA CURA – Comecei com uma dose diária, durante uma semana. Tudo bem! Tomei então duas doses, sempre sentado ou enrolado até o 20º dia, quando acordei tarde e - vejam só! - estirado, reto, sem dor. Caminhar sem dor, somente no 30º dia, quando me levantei como que a sonhar de felicidade, pois nada mais me doía. Pequeno passeio, contudo, me fez voltar o peso de outrora, mas que em poucos dias também sumiu. Assim, a perna sofrida estava até melhor que a outra...

6. EFEITOS SIMULTÂNEOS – Além da ciática, curou logo o coração. Sumiram as pontadas do fígado. A prostatite aguda em um ano pouco incomodava. Três anos depois, nem sinal dela. Descalcificou-se a espinha, e em 3 anos fiquei flexível como cobra. A lucidez voltou e o cansaço se foi. Curei também a erisipela, quando voltou, tomando 3 doses durante 3 meses e matando, por certo, o último micróbio escondido nas varizes. E fiquei reto! Daí a regra: “Tome o magnésio para uma doença só e as outras curam junto”. Voltou-me, enfim, a alegria de viver. E o que darei ao bom Deus pelo jeitinho grátis? De graça o difundirei!

E mais: Em 1993, descobri a cura da psoríase, que escama a pele e é incurável desde a Antiguidade. Já no desespero, tive uma luz: “O magnésio é o construtor da célula”. Mantive então úmida com magnésio concentrado a pele afetada e nova pele nasceu. Somente isso!

[Nota do editor: Sobre magnésio & psoríase, veja também

7. CONTRA-INDICAÇÕES – Duas, graves: Insuficiência dos rins e paratireóide (garganta). Tente devagar, com meia dose diária durante uma semana, duas meias-doses na outra semana, três meias-doses na 3ª semana, ao levantar, ao meio dia e ao deitar. Tudo bem? Então siga para o item 8, RECEITA GERAL.

Mas se piorar, diminua a dose ou vá ao médico. O uso desta receita fica a seu critério, ou a critério de um médico amigo.

8. RECEITA GERAL – Ver as contra-indicações no item 7. Se não houver, tome uma dose diária durante uma semana. Tudo bem? Então tome uma dose de manhã e uma dose à noite, na segunda semana. Na fase aguda, uma dose de manhã, ao meio dia e à noite. Passada a fase aguda, volte a uma dose de manhã e outra à noite, durante meio ano ou mais, até sentir que está bem e com boa saúde. Para não recair, siga toda a vida o item 14.

Com 3 doses diárias, a pressão do sangue pode subir. Se for demais, diminua o sal de cozinha, tome remédio, ou volte a tomar duas doses. Mas não largue o magnésio, sua garantia.

9. CALCIFICAÇÃO – Que somente o magnésio cura. É o mais comum, uma série de doenças até mortais: coronárias entupidas, necrose (sem vida), infarto, pontes de safena, coágulos, derrame, trombose, arritmia, arteriosclerose (sclero=duro), válvulas duras, incrus-tações tipo cera amarela, colesterol, coluna, ciática... O magnésio tira o cálcio patogênico e o fixa nos ossos, que nunca ataca. E cura osteoporose. Ver item 8.


10. ARTRITE E ARTROSE, que só o magnésio cura. Artrite, reumatismo, gota, inflamam, com dor, as articulações nos dedos e no corpo todo. E a artrose as degenera por acúmulo de ácido úrico, que os rins já não eliminam, por falta de magnésio. Cuidado: Ver item 7, e depois o item 8.

11. CÂNCER, que somente o magnésio evita, e infartos. As células de doentes podem estar incompletas, por falta de substâncias (refinados, depauperados) ou presença de partículas estranhas (fumo, tóxicos, radiações, metais pesados). Essas células anormais, presentes em todas as pessoas, somente se tornam perigosas ao se agruparem, causando lesões, o pré-câncer -- que o magnésio cura. Ao formar tumor, câncer, o magnésio não cura mais (mas o elixir F. Kotelak já curou muito câncer e diabetes). Nódulos no seio e freqüente câncer em parentes: siga logo a RECEITA GERAL (item 8). Mas câncer da pele, que dá chagas incuráveis, o magnésio cura em um ano e tanto. Siga o item 8. Assim você se salva do câncer, de infartos, de quase tudo, simultaneamente.

12. INFECÇÕES – O magnésio reforça as defesas naturais do organismo: duplica os glóbulos brancos, soldados do sangue que matam o triplo de micróbios. O magnésio é ótimo contra furúnculos, inflamações. Cura erisipela (veja item 6). Em manchas da pele, psoríase, alergias, acne, tóxicos, feridas - ponha um paninho úmido com magnésio, ou passe com a mão. Para psoríase, solução concentrada (ver item 6).

13. CIRURGIAS – Na véspera, tome de 3 a 5 doses espaçadas. Cura rápido, sem infecção e boa disposição.

Saúde para toda a vida

14. DOSAGEM – O adulto precisa o equivalente a 4 ou 5 doses de magnésio por dia. (Cada dose = 1 copinho plástico, ver item n° 3). Como nossos alimentos refinados não o fornecem tudo isso, é preciso completar o que falta.

Crianças e adultos até 40 anos – Uma colher de sopa da solução para cada 10 kg de peso, se estiver doente ou crescendo muito. Se não estiver doente nem crescendo, uma colher para cada 20 kg. Cada copinho de plástico (ver item 3) equivale a mais ou menos 4 colheres.

Adultos, de 40 anos em diante – Um fato novo: aos 40 anos (alguns aos 35 ou aos 30), o corpo é invadido pelo cálcio, que reprime sempre mais o magnésio. Assim, devemos ir aumentando o magnésio para controlar o cálcio e evitar as doenças da velhice, continuando flexíveis e jovens. Aqui vão as doses, por idade:

               Dos 40 aos 55 anos, tomar 2 doses espaçadas por dia.
               Dos 55 aos 70 anos, tomar 3 doses espaçadas por dia.
               Dos 70 anos ao fim da vida, 4 doses espaçadas ao dia.

Assim, complementam-se os alimentos desmineralizados e o corpo se mantém flexível, sem cansar, sangue puríssimo, coração e outros órgãos sadios, sem infartos, derrames, sem morte súbita, sem câncer... Em vez do magnésio, você pode comprar sacos de farelo de arroz, com o qual faz bolinhos, mistura no pão ou nas comidas. Comer uva, com bagaço, mineralizado, sem esmagá-lo.

A cozinheira deve distribuir nas comidas uma dose de magnésio para cada 3 pessoas, uma vez por dia. Assim fazem na Finlândia, e toda a família vive saudável. Os maiores de 40 anos devem completar suas cotas, conforme recomendação acima. O magnésio é alimento inocente: o intestino somente absorve o necessário.

Ricos em magnésio e sais são: Farelos, melaço, melado, mel, açúcar amarelo em rapaduras com amendoim, todas as nozes, amêndoas. Também golinhos de água do mar, no banho ou nas comidas (só golinhos), que contém 30 sais salubérrimos, os mesmos que levam as tartarugas até os 400 anos de idade...



15. Tem gente que não quer tomar magnésio durante toda a vida. Mas o faz com o sal comum, em demasia (prefere a "vida normal"), enquanto o magnésio protege a saúde. Ou você pensa que para estimar a saúde precisa pegar, às vezes, doenças que custam 1 milhão? Não seja idiota! Tire uma minúscula fração dos milhões e compre magnésio, para livrar-se da doençarada toda que o espera. No Alto Tocantins, vivem 20 pessoas com mais de 100 anos de idade, porque a terra lá é rica em magnésio. No Cáucaso, chegam a 125 anos, alguns a 150, porque as searas e fontes são ricas em magnésio.

16. ONDE COMPRAR O MAGNÉSIO CERTO? Nunca os comuns de farmácia, pois fazem mal à saúde pelos 3 a 5 por cento de impurezas que contêm. Recomendo as lojas que fornecem material para laboratórios.

O magnésio certo deve ser o CLORETO DE MAGNÉSIO P.A. (P.A. = Para Análise).

[Fim do artigo do Pe. Beno Schorr]
____________________________________________________________________________________


NOTAS -


1 Segundo notícia do jornal Tribuna Catarinense, edição de 20/5/2005 (que li na Internet, por
  indicação de Silvestre Rossi), o padre Beno morreu em 19/5/2005, por afogamento, na praia
  de Pererequê, em Porto Belo. Ele estava com 91 anos e era natural de Lajeado-RS.

2 Equivalente aproximadamente a 3 colheres de sopa, rasas.

Nota: O Dr. Luiz Moura recomenda uma concentração mais fraca: 20 gramas (ou 2 colheres de sopa um pouco mais que rasas) de magnésio por litro d'água. Assim, para o envelope de 33 gramas vendido em farmácias, a quantidade de água deveria ser em torno de 1,5 litro. Para uso externo (lavar feridas, etc), 10 gramas de magnésio por litro d'água.

__________


·         Esta matéria é de caráter apenas informativo. Não deixe de consultar o seu médico.

·         Existe também a obra The magnesium miracle, de 2007, cuja tradução seria "O milagre do magnésio"), da médica canadense Carolyn Dean [ISBN 978-0-345-49458-0, Ballantine Books, NY, 310 páginas]. O livro aborda basicamente os mesmos princípios e indicações do falecido padre Beno, porém de forma mais abrangente, com mais embasamento científico e clínico.

·         No seu "Artigo Mirim" nº 14, de 1994, o padre Beno dá uma lista de 60 empresas em 15 cidades, de Rio Grande-RS até Rio de Janeiro-RJ – que deixei de transcrever aqui porque os endereços são muito antigos.

·         Em Porto Alegre-RS, eu compro o magnésio da Importadora Química Delaware Ltda - Rua Morretes, 376 - CEP 91030-300, fone (51)3341-0812, email vendas@delaware.com.br [tem serviço de telentrega]. Tenho comprado o tipo P.A. nas marcas Synth e Reagen. Paguei R$ 24,50 por um frasco de 500g em Fev 2012 (mesmo preço de 2009). A fórmula é igual à que aparece nas embalagens dos magnésios de farmácia (MgCl2.6H2O). O da marca Synth traz o peso molecular (203,30) e as especificações, inclusive teor máximo de impurezas.

·         Para quem não tiver um fornecedor na sua cidade, uma alternativa seria as farmácias de manipulação, pois elas precisam trabalhar com o material mais puro possível.

·         Tem também o Raul Zorzenon, que diz ser distribuidor de produtos para laboratórios e se propõe a enviar o magnésio certo para qualquer parte do Brasil. Eu não o conheço e não tenho com ele qualquer relação. Repasso a informação apenas para disponibilizar mais um possível fornecedor. Email (em Jan 2008): "R.Zorzenon" <cloretomagnesio@gmail.com>.

·         Em <www.odimelo.net> tenho mais dicas sobre saúde. Mas já adianto que não respondo email de quem usa o famigerado AntiSpam UOL (ou similar), que me obriga a confirmar a mensagem, aproveitando para capturar dados a meus respeito.


Rev. 8/2/2012


"Atendendo a sugestão de Mr. tarugas no comentário, uma sugestão é você adquirir o cloreto de magnésio  e lojas de produtos naturais e verificar na embalagem ou bula a fórmulação se é cloreto de magnésio realmente. Olhe o nome do produtor, e o M.S. (o número no mistério da saúde.)"

Fonte: texto na integra do artigo de  Dowload de  http://br.librosintinta.in/o-milagre-do-magn%C3%A9sio-doc.html    - 1º link





OBS:

  Segundo notícia do jornal Tribuna Catarinense, edição de 20/5/2005 (que li na Internet, por indicação de Silvestre Rossi), o padre Beno morreu em 19/5/2005, por afogamento, na praia de Pererequê, em Porto Belo. Ele estava com 91 anos e era natural de Lajeado-RS.
 O elixir F. Kotelak foi produzido pelo Laboratório Melo & Kotelak Ltda, de Curitiba, que teria fechado.
 Equivalente aproximadamente a 3 colheres de sopa, rasas.



  Este post é de caráter apenas informativo. Não deixe de consultar um médico e informar-se sobre o uso do cloreto de magnésio

  Existe também a obra The Magnesium Miracle, de 2007, cuja tradução seria "O milagre do magnésio"), de autoria da médica canadense Carolyn Dean.

  Ao comprar o cloreto de magnésio prefira farmácias de manipulação e verifique a pureza do produto.